Quem é e o que faz a Embrião?

A Embrião é uma entidade localizada em Alvorada-RS, fundada em 25/12/2001, que realiza atividades no estado do Rio Grande do Sul com o projeto pedagógico: EducaAção EcoLógica com Xadrez nas Escolas. Já realizou oficinas em Alvorada, Balneário Pinhal, Bento Gonçalves, Cachoeirinha, Campo Bom, Candiota, Canguçu, Canoas, Dois Irmãos, Esteio, Gravataí, Guaíba, Harmonia, Nova Santa Rita, Parobé, Pelotas, Porto Alegre, Rio Grande, São Leopoldo, Sapiranga e Viamão.

Em 2011, nos Jogos Nacionais do SESI - BA,
a ONG mostrou o projeto para empresários de todo o Brasil.

Tem como principal objetivo a educação ambiental de crianças e adolescentes e tem como ferramenta de trabalho o xadrez, incluindo assim de forma lúdica os seus alunos. A organização já foi reconhecida com prêmios como a Medalha João Saldanha (entregue à incentivadores de esportes); Reconhecimento Ambiental - Borboleta Azul (reconhecido pelo Governo do Estado através da Secretaria Estadual do Meio Ambiente) e, por seis anos consecutivos, a Medalha de Responsabilidade Social (Assembléia Legislativa).

Trabalha em parceria com outras instituições e organizações para promover a conscientização e a inclusão. Um dos frutos dessas parcerias foi a bicicleta adaptada, chamada ODKV. Ela foi desenvolvida para deficientes visuais com o intuito de proporcionar a eles a sensação de andar de bicicleta. Desenvolveu também bicicletas especiais para Cadeirantes e Muletantes.

Também recolhe pilhas, baterias e outros lixos tecnológicos, assim como óleo de cozinha usado.

Para mais informações entre em contato por um dos meios citados abaixo:
Telefones:(51)3483-2914 ou (51)9986-7734
E-mails: ongembriao@gmail.com
ou ongembriao2010@gmail.com

Pesquise por matérias:

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Na conferência, professores aprenderam a produzir as peças gigantes do jogo de xadrez
Professores do Grupo de Formadores Ambientais do Programa Quero-Quero participaram, na noite de sexta-feira e na manhã de sábado, de uma Conferência sobre o Jogo de Xadrez Escolar. Ministrado pela Sociedade Cultural e Ambientalista Embrião, no Centro de Formação Escola Viva Zona Oeste. O  evento, que ainda prevê mais dois encontros, está preparando estes educadores para se tornarem multiplicadores da proposta pedagógica de uso do xadrez para facilitar o aprendizado e despertar a conscientização ambiental nas escolas do Município.
O Quero-Quero, da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Smec) de Rio Grande, contratou a Embrião, para fazer a formação do Grupo nesta proposta. A Embrião é uma entidade localizada em Alvorada que realiza atividades no Estado do Rio Grande do Sul com o Projeto Pedagógico: Educa Ação Eco Lógica com Xadrez nas Escolas. Tem como principal objetivo a educação ambiental de crianças e adolescentes e como ferramenta de trabalho o xadrez nas escolas, incluindo-o de forma lúdica e ecológica. Na conferência, os professores receberam conhecimentos sobre o projeto e aprenderam a produzir as peças gigantes, utilizadas para o trabalho de educação ambiental e como ferramenta no ensino, usando a técnica de papietagem (papel molhado e grude).
Conforme a coordenadora do Programa Quero-Quero, Roselle Rodrigues, a Smec adquiriu os moldes das peças gigantes para as escolas interessadas fazerem a papietagem. Para formar cada unidade, são colocadas 15 camadas de papel com grude nos moldes. Depois de seca e desenformada, a peça fica resistente e não quebra. "É um trabalho artístico e que tem durabilidade. E feito com material que iria para o lixo e é reaproveitado", observa a coordenadora. Cada professor produziu uma unidade. No próximo encontro, que deverá ocorrer dentro de um mês, quando as peças estarão secas, o grupo aprenderá a desenformar (retirar do molde) e a jogar xadrez. Depois, haverá um período para aperfeiçoamento.
Os multiplicadores vão estimular os estabelecimentos de ensino a aderirem ao Jogo de Xadrez. Para os colégios interessados, o Programa fará convênio com a Embrião para ministrar-lhes oficinas. A Escola Municipal de Ensino Fundamental Olavo Bilac já demonstrou interesse, inclusive para participar de competições, e deverá ser a primeira contemplada. A intenção é estimular nos estudantes o desenvolvimento do raciocínio lógico e ensinar um brinquedo que os beneficiará muito. "O xadrez nos faz parar e calcular o que fazer e ensina a brincar aprendendo", salientou Roselle.
Experiência
A professora Maria Cecília Bettin dos Santos, representante da Embrião Região Sul, apresentou no evento a experiência da Escola Estadual de Ensino Médio João de Deus Nunes, de Canguçú. Na João de Deus Nunes, o jogo de xadrez foi inserido na sala de aula em 2005. Em 2010, ela conheceu O projeto de Alvorada e começou a trabalhar com reaproveitamento de jornal. A atividade é desenvolvida com o 4º ano. A direção mandou construir um tabuleiro gigante e as peças estão sendo feitas com os alunos. Segundo Maria Cecília, o resultado tem sido ótimo. "O jogo de xadrez trabalha a auto-estima, as diferenças sociais, a disciplina. As crianças se tornam mais tranquilas, se concentram mais, ficam com a memória mais ativa e aprendem melhor", ressaltou.
Integração
O vice-presidente de Xadrez Escolar da Federação Gaúcha de Xadrez e coordenador do projeto na Embrião, Josué Aguiar, disse que essa foi a primeira conferência feita pela Federação no Estado. "A conferência é importante porque mostra a educadores como trabalhar o xadrez na sala de aula. Queremos mostrar aos professores que o xadrez é muito importante porque ensina concentração, disciplina, que são importantes para o aprendizado das matérias", salientou. Segundo Aguiar, os estudante gostam e querem jogar principalmente porque o xadrez os integra com outras pessoas. "A integração é o forte", ressaltou.
A Embrião é uma organização não-governamental, cujo foco é trabalhar a conscientização ambiental. Faz campanhas de recolhimento de papel, pilha usada e óleo de cozinha. A conferência foi organizada pela ONG, Smec e Centro de Formação Escola Viva, com apoio do Sesi e da Federação Gaúcha de Xadrez.
Fonte Jornal Agora
Por Carmem Ziebell
carmem@jornalagora.com.br

Nenhum comentário: